Como Ter Mais Motivação para Treinar em Casa + 18 Dicas Práticas

Hoje vamos falar de uma questão que interessa a todos: motivação!

Afinal, quantos de nós têm a cansativa tendência de começar a treinar e fazer reeducação alimentar, sentir aquela empolgação no começo, chegar até a ver os primeiros resultados e, então, em um belo dia, sem mais nem porque, não dá vontade de treinar. No próximo dia, a mesma coisa, e, pouco a pouco, você vai se rendendo à preguiça!

Às vezes acontece também de a gente ter um problema e não poder treinar por um tempo, como uma gripe ou lesão. A doença passa e nada de voltar a malhar.

E, a cada dia que você passa naquela mesma rotina sedentária e comendo sem se preocupar com quantidade e qualidade, quanto mais você fica estagnado, menos você pensa naquele seu objetivo de levar uma vida melhor. Chega até a evitar pensar nisso!

E mais, quantos de nós sequer conseguem começar uma rotina de treino regular por falta de motivação?

Xiiii… Isso já aconteceu com você? Está acontecendo agora? Não se preocupe!

O Exercício em Casa vai te ajudar! Entrevistamos especialistas em motivação e desenvolvimento pessoal, incluindo coaches (profissionais que trabalham com desenvolvimento pessoal) e psicólogos, que vão te dar 18 dicas variadas sobre este assunto e te ajudar a pensar na questão da motivação com mais clareza e perspectiva.

Para você arrastar de vez este sofá e focar na sua qualidade de vida, em mais felicidade e mais saúde, por dentro e por fora!

Autoconhecimento

autoconhecimento-1

Um dos primeiros passos para ter motivação é o autoconhecimento. Começar a treinar porque esta é a expectativa de outras pessoas, provavelmente não vai funcionar. Você tem que saber se treinar é, em primeiro lugar, sua meta, que você traçou por razões que são importantes para você!

“Algumas pessoas sabem da importância do exercício físico, porém, mesmo assim, não encontram motivação para a execução das atividades e continuam levando uma vida sedentária. A motivação está ligada à própria energia que nos impulsiona e nos coloca em movimento, que nos leva a ter determinação e força de vontade”, esclarece Julia Rezende, psicóloga clínica e sócia-diretora da Clínica Centrum Psicologia e Desenvolvimento Humano, Osasco/SP.

“Todo comportamento está ligado a uma necessidade, se não há necessidade, não há motivação. Sendo assim, a melhor forma de se automotivar é estabelecer os reais motivos que te levaram a praticar atividade física. Dessa maneira, você conseguirá manter o foco e estipular suas metas.

“Você precisa saber o que você quer para você e depois sair em busca, separando seus desejos reais dos desejos da família, amigos e sociedade. O autoconhecimento se faz necessário, pois a motivação é algo pessoal e intransferível”, ensina a psicóloga Julia Rezende.

Conheça os treinos do Exercício em Casa e descubra quais modalidades você gosta mais. Temos Yoga, Pilates, Localizada, Treinamento Funcional, Alongamento, Aerohiit, Hiit e muito mais!

Para ter acesso a todas as aulas, matricule-se no site . 

Ao assinar o site, você também terá acesso a um programa personalizado de treino, com agenda de treinos diários. Você pode escolher entre dois programas: o Muscle Up (tonificação muscular) e o Cardio Mix (emagrecimento e queima de gordura). 

O poder da mente

pode-da-mente-2

Segundo o Master Coach, palestrante internacional e autor dos livros Sucesso: encontre-o dentro de você e Reflexões de um pensador, Jean Patrick, pensamento positivo e autoestima em dia são os fatores fundamentais para ativar a motivação.

“Quando falamos sobre motivação, envolvemos vários pontos importantes. Algumas pessoas se motivam vendo fotos de pessoas da mídia treinando. Outras, com colegas motivando. Outros são motivados pelos médicos e por aí vai… Porém, se a motivação interna não estiver ativada, nada fará sentido!

“Para acionar esta motivação interna em seu máximo, ela deve estar atrelada a alguns fatores importantes e que farão total diferença na ativação da motivação!

“Muitas vezes, o que influi na motivação e na execução do exercício físico são as crenças que a pessoa tem sobre ela!

“Muitos não acreditam em si mesmos e isso muda completamente o comprometimento em relação à atividade física. As pessoas podem se ver presas em conceitos negativos e, principalmente, no diálogo interno que ocorre na mente, que fala para elas que não vão conseguir, que não vai dar certo, que não são capazes…

“Esses são fatores cruciais para a motivação. Uma autoestima baixa interfere na conquista de metas.

“Já aqueles que têm uma boa autoestima tendem a ter pensamentos positivos sobre si mesmos. Eu posso! Eu vou conseguir! E por aí vai… E isso costuma ajudar a pessoa a prosperar, afirma o Master Coach, Jean Patrick, cujo escritório fica na Vila Olímpia, São Paulo/SP. 

Vivendo no presente

vivendo-no-presente

Para o coach Rodrigo Vergara, há uma diferença entre metas externas e internas. Metas externas seriam aquelas a longo prazo, que estão muito ligadas ao que a sociedade espera da gente. São as metas que vêm “de fora”.

“Existem dois tipos de motivação. A motivação que é extrínseca (externa), ou seja, que nasce da busca de uma recompensa ou da tentativa de evitar uma punição. Nesse caso, a recompensa de ter um corpo sadio e mais bonito.

“E o outro tipo de motivação que é a intrínseca (interna), que nasce do gosto e do prazer que eu tenho por uma determinada atividade. E, em geral, as pessoas não sabem do que elas gostam, pois, no decorrer da vida delas, esqueceram-se disso.

“As metas externas não são necessariamente ruins, muitas vezes fazemos um esforço a mais para investir no nosso futuro.

“Só que, para turbinar sua motivação, você precisa de metas conectadas com o seu momento presente, com as coisas que te dão prazer na hora em que você as realiza.

“Por outro lado, tem gente que, sim, se motiva por motivações extrínsecas ou externas, embora eu ache que esta motivação extrínseca gere um custo razoável para o sistema emocional da pessoa, que vai desconectando ela de sua própria vontade. E a vida passa a ser um custo em prol de um benefício que vai aparecer no futuro.

“Eu vejo que algumas pessoas sentem, sim, mais prazer em algumas atividades físicas que são normalmente oferecidas, como musculação, corrida e natação.

“Eu, por exemplo, gosto muito de nadar. Tiro muito prazer do ato de nadar e, aos poucos, eu vou encontrando uma maneira de nadar que me atende. Eu brinco muito enquanto nado. Passo uma hora nadando submerso, que é uma coisa que eu gosto de fazer. E eu fui encontrando o meu lugar de prazer dentro da atividade física que me interessa.

“Ainda dentro daquela ideia de motivação externa, eu acho que existe um problema de promessas irreais em relação aos benefícios dessa atividade, porque, muitas vezes, ao fazer atividade física, as pessoas estão buscando uma recompensa que é um corpo perfeito, baseado em um estereótipo que normalmente não está ao alcance delas.

“Se eu tenho 1,60 m e uma constituição física um pouco mais robusta, eu não vou ficar magrinho como o cara de 1,90 que aparece na propaganda.

“Quanto mais conectado com a atividade que você está fazendo, com o momento presente, com o que está acontecendo e tirando prazer do presente, melhor para você”, defende o coach Rodrigo Vergara, especialista em trabalhar com a sintonia entre empresas e funcionários para facilitar processos criativos e inovação, com o intuito de enfrentar melhor os desafios atuais.

Por isso, a dica é que você procure o seu lugar na atividade física e que possa desfrutar do exercício não como um esforço apenas, mas também como uma diversão ou um prazer.

Comparações injustas

comparacoes-injustas

A psicóloga clínica e ambulatorial Tatiana Fingermann, especialista em obesidade, avalia que um dos maiores problemas para quem precisa de mais determinação é o padrão de beleza da sociedade, que cultua um corpo perfeito, exibido por celebridades, empurrado goela abaixo todos os dias na TV, revistas, mídias sociais e notícias. Aparecem tanto que ficamos fazendo comparações que são, no mínimo, injustas.

E, como dita a sabedoria, cada um é de um jeito, portanto seu objetivo deve ser o melhor que você pode ser e não ser outra pessoa. Desqualificar seu corpo por causa de padrões pré-estabelecidos pode te deixar ainda mais para baixo. E, quando nos sentimos muito mal conosco, fica ainda mais difícil ter atitudes construtivas.

“Quando chega o verão, todo mundo quer curtir uma praia ou piscina, usamos menos roupas e, neste momento, percebemos aquela gordurinha que incomoda, não possuir a tal barriga negativa incentivada por celebridades e mais uma lista de reclamações que nos fazem desqualificar o nosso corpo”.

“O interessante é que escrevendo este último parágrafo a palavra “gordurinha” foi marcada pelo corretor ortográfico do Word, e teve como sugestão para a substituição a palavra “gorduchinha”. E é assim mesmo que muitas pessoas se sentem. E este não é um privilégio feminino. Muitos homens não aceitam as consequências dos excessos calóricos que acumularam”, pontua a psicóloga Tatiana Fingermann.

Motivação para emagrecer

motivacoes-p-emagrecer

Além de treinar, para ter uma vida mais saudável e um corpo mais bonito é preciso ter motivação para comer de forma saudável. De acordo com a psicóloga Tatiana Fingermann, quem deseja emagrecer, mas não consegue sair do lugar, também deve se autoavaliar e repensar o conceito de dieta.

“Já é mais conhecida que a tabuada os motivos que levam ao ganho de peso. Além de doenças como problemas hormonais e o uso de algumas medicações, o ganho de peso é decorrente de uma conta errada: gastamos menos energia do que ingerimos. Ok, compreendido este ponto da questão vamos pensar um pouco mais nos motivos que nos levam a comer demais.

“Acredito que a motivação seja um dos aspectos mais importantes envolvidos na reeducação alimentar, independente de quantos quilos devem ser eliminados. Algumas perguntas podem ser feitas. Este é o melhor momento para eu iniciar um processo de transformação? Tenho os recursos disponíveis como tempo, dinheiro e suporte emocional? Se a resposta for positiva, mãos à obra!

“A dieta ideal é a ‘dieta do equilíbrio e do respeito’ e isso vale para todas as situações da nossa vida. Manter um equilíbrio entre o que ganhamos e gastamos vale tanto para as calorias, quanto para a conta no banco.

“Manter a motivação requer um esforço constante. E estar motivado é assumir um compromisso com você mesmo e sua saúde, assumir que resultados rápidos e milagrosos não existem e tolerar que mudanças no estilo de vida, hábitos alimentares e atividades físicas não são fáceis. Várias podem ser as causas da falta de motivação e isso também é uma questão individual.

“Ao colocar sua saúde ou a forma física almejada como prioridade, você deve levar cada atividade deste compromisso como única e inadiável evitando as famosas desculpas que tanto atrapalham no resultado final”, argumenta a psicóloga Tatiana Fingermann.

Estabelecendo uma meta fitness

metas

Confira os toques do coach Rodrigo Vergara sobre como estabelecer uma meta fitness que seja ideal para você.

“A primeira coisa é olhar para essa meta fitness e ver se essa meta é alcançável. Se ela não está baseada em uma conquista irreal de medidas ou de performance.

“A segunda dica é incluir uma meta fitness focada na satisfação que você consegue obter a cada dia. Você deve observar o quão prazeroso é aquele exercício e o quão motivado pela vontade você se sente dia após dia.

 “A terceira coisa seria encontrar atividades físicas que essa pessoa gosta bastante de fazer, e que ela faria independentemente da recompensa: dançar, caminhar no parque, brincar com os filhos ou simplesmente brincar.

“Encontrar qual é o movimento do corpo que essa pessoa gosta e tentar desenvolver uma meta fitness que seja relacionada a isso pode ajudar bastante. São aquelas coisas que você pagaria para fazer e não que você exigiria receber algo em troca. Acho que essas são as atividades que vale a pena incluir”, orienta o coach Rodrigo Vergara.

      Dicas práticas da psicóloga clínica Julia Rezende para ter mais motivação:

  • 1- Descubra que exercício combina com você! É extremamente importante que você tenha alguma afinidade com o exercício escolhido.

  • 2- Coloque diversão na prática! Realizar em conjunto com o exercício algum recurso que auxilie para que a experiência seja ainda melhor. Por exemplo, treinar acompanhado de amigos. O importante é fazer o que se gosta, o que proporcione prazer e satisfação momentânea.

  • 3- Não ultrapasse seus limites! Modere na intensidade dos exercícios para usufruir dos benefícios que eles trazem, cuidado para não ultrapassar seus limites. Isto pode levar à desistência, além de passar a ser uma experiência negativa e dolorosa.

  • 4- Criar hábito! Crie uma rotina, determine horários fixos, assim você tornará a atividade física em hábito e passará a se exercitar sem sofrimento.

  • 5- Lista de benefícios! Crie uma lista de benefícios referente à atividade física. Quando aparecer desânimo e cansaço, aproveite para rever estes itens, reforçando e lembrando-se da necessidade que te fez chegar onde está. A lista fará você enxergar sua evolução e seus benefícios de maneira mais objetiva, fazendo você se sentir ainda mais motivado.

  • 6- Faça uma reprogramação mental! Reveja todos os seus pensamentos negativos em relação à atividade física e substitua por pensamentos positivos, dessa forma você estará criando novas situações e experiências diferentes das que já está acostumado. Chegará uma hora em que pensar positivo será tão normal que você nem precisará controlar os pensamentos.

    Dicas práticas da psicóloga Tatiana Fingermann (especialista em obesidade)

  • 7- Onde e que horas treinar deve entrar na sua agenda em sintonia com seus compromissos de estudo ou trabalho, de forma que uma coisa não entre no caminho da outra, evitando que o cansaço, trânsito ou mesmo a chuva atrapalhem seu planejamento.

  • 8- Considere os gastos como um investimento, ninguém quer perder dinheiro, então cada falta deve ser encarada como um prejuízo potencial.

  • 9- Se conheça e se permita novas possibilidades, saber o que gosta de fazer é importante para encontrar estimulo na atividade física escolhida, reduzindo a chance de desistir.

  • 10- Busque um parceiro de treino ou amigo, que te ajude a reforçar seu compromisso e que deixe tudo mais divertido e eficiente já que um anima o outro, além de um pouco de competição deixar tudo mais desafiador e motivador

  • 11- Crie metas realistas em termos de resultado e prazo. Isso evita lesões e decepções com o resultado, além de que cada conquista deve ser reconhecida e comemorada.

  • 12- Valorize a endorfina, observe-se ao final de cada treino, como se sentia antes, durante e depois?

    Dicas práticas do Master Coach, autor e palestrante internacional, Jean Patrick:

  • 13- Faça uma lista de suas metas com a atividade física.

  • 14- Coloque esta lista em ordem de prioridade.

  • 15- Coloque um prazo para cada uma das metas. O quanto pretende atingir em cada fase de seu novo projeto.

  • 16- Agora vamos ativar a mudança em sua mente… Isso mudará tudo!! Pense em uma frase curta ou em poucas palavras positivas. Tem que ser algo que te dê força e faça muito sentido para você! Mentalize essas palavras todos os dias, assim você pode criar novas sinapses em sua mente e remodelar suas crenças e hábitos de pensamento!

  • 17- Crie em sua mente a imagem de como você gostaria de estar… E sempre que possível, de preferência várias vezes durante o dia, se veja mentalmente dessa forma desejada. Isso vai te ajudar muito a criar o estado que deseja. Não temos como criar um estado desejado sem estar mentalmente nele.

  • 18- Os dois últimos itens são de extrema importância! Ative sempre em sua mente o estado que deseja e use sempre essa frase ou palavras que pensou para ancorar a atitude e a motivação que você precisa para conquistar resultados! A base de qualquer mudança é acreditar!  Uma das frases de um dos meus livros diz assim: “Se você quer resultados diferentes, faça coisas diferentes.”

Como Ter Mais Motivação para Treinar em Casa + 18 Dicas Práticas

3 Comentários

Você pode usar HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>