GINÁSTICA HIPOPRESSIVA

Ginástica Hipopressiva. Você já ouviu falar?

Diz aí, quem aqui não quer afinar a cintura, chapar a barriga, melhorar a postura e se livrar de dores nas costas? Então vem comigo entender como a ginástica hipopressiva vai te ajudar a conseguir tudo isso sem nem suar…

Esta é uma prática ainda pouco difundida nos meios de comunicação e no mercado fitness, menos ainda no Brasil. Eu mesma nunca tinha ouvido falar sobre essa técnica até que comecei minha faculdade de Educação Física.

Na época fiquei muito curiosa. Eu adoro uma novidade! E a maneira de realizar esse exercício é completamente diferente de tudo o que eu conhecia… Mas o que mais aguçou o meu interesse foram as promessas.

Quando você vê uma mulher com a barriga chapada, que tipo de exercícios você imagina que ela faz?

  1. abdominais
  2. prancha isométrica ou
  3. nenhum, é uma sortuda com DNA abençoado

Se você respondeu qualquer uma das alternativas anteriores, pode estar ignorando uma prática muito revolucionária. Os exercícios hipopressivos aliam posturas (estáticas ou dinâmicas) a um ritmo e tipo de respiração. São extremamente eficientes para tonificar a musculatura abdominal profunda!

Tenho muita experiência ajudando mulheres e homens a conquistar um corpo mais saudável, equilibrado e esteticamente mais harmonioso. Posso dizer que afinar a cintura e diminuir o volume na barriga é uma demanda quase universal. Quantas pessoas você conhece que morrem de amores por seus pneuzinhos?

BENEFÍCIOS DA HIPOPRESSIVA

Se a questão estética não é uma prioridade para você, não pare a leitura por aqui. Há muitos benefícios que os exercícios hipopressivos podem proporcionar que vão muito além da medida da cintura.

Originalmente, estes exercícios foram criados para reabilitação da postura e da pelvis, já que trabalham além dos músculos abdominais, os do assoalho pélvico e da parte superior do tórax.

Aumentar o tônus de todo este complexo, proporciona melhora em quadros como:

  • Incontinência urinária
  • Disfunções sexuais
  • Lombalgias
  • Intestino preguiçoso
  • Problemas posturais
  • Hérnias

CONHECENDO A BARRIGA

Fica mais fácil de entender a Ginástica Hipopressiva, se você tiver uma noção da anatomia do abdômen. Claro que esta é uma descrição bem simplificada, mas que acredito dar conta deste propósito que temos.

Podemos dizer que há no abdômen, de dentro para fora: as vísceras (intestinos, estômago, fígado, pâncreas  etc), cercadas pela parede dos músculos e a camada de gordura que cobre os músculos na parte mais externa.

Dito isso, pense um pouco na sua barriga por dentro. O abdômen precisa lidar no seu funcionamento normal com uma grande variação de volumes: pulmão cheio/vazio, estômago cheio/vazio, bexiga e intestinos idem. Fora absorver movimentos como tosse, riso, vômito, espirro, soluço… Isso sem falar de gravidez e parto, rsrs. Muita coisa acontecendo lá dentro, não é?

Para conseguir regular todas as suas funções, existe no abdômen uma variação da pressão denominada intra-abdominal, que na literatura médica, você pode encontrar com a sigla PIA. É assim, fazendo essas compensações na pressão dentro da barriga, que o corpo consegue manter tudo em funcionamento. Com os músculos em ordem, você permite ao seu corpo desempenhar todo este processo de forma eficiente e equilibrada.

Por que eu estou te contando tudo isso? Bem, para aquela lista toda de benefícios começar a fazer sentido, é necessário que você entenda que, além de fortalecer os músculos profundos do abdômen, os exercícios hipopressivos mexem com essa pressão de dentro da barriga, criando um efeito de aspiração que puxa as vísceras para dentro e para cima. Isso acontece através das manobras de respiração, apnéia e posturas que tem o objetivo de deixar tudo em seu devido lugar.

CONHECENDO OS MÚSCULOS ABDOMINAIS

Os músculos abdominais têm como principal função conter e proteger as vísceras e, além disso, dão sustentação à coluna vertebral.

Os principais músculos desta área do corpo são:

Reto do Abdômen – é o músculo mais superficial, talvez por isso o mais conhecido. Ele está mais visível que os demais, principalmente se estiver fortalecido.

Função do Reto do Abdômen: flexionar a coluna vertebral aproximando o tórax e a pelve anteriormente. É o músculo que você aciona quando está deitado de barriga para cima e precisa fazer força para levantar o tronco.

Oblíquo interno – forma a camada média da parede abdominal lateral, está localizado entre o transverso do abdômen e o oblíquo externo.

Função do Oblíquo Interno: bilateralmente flexiona a coluna e auxilia na respiração. Em conjunto com os oblíquos externos promove a rotação da coluna.

Oblíquo externo 

Função do Oblíquo Externo: bilateralmente flexiona a coluna vertebral e inclinam a pelve para trás. Junto com os oblíquos internos produz inclinação lateral da coluna, aproximando o tórax e o quadril lateralmente.

Transverso do abdômen – é o músculo mais profundo.

Função do Transverso: funciona como uma cinta natural para proteção da coluna vertebral. A sua ação acontece nas mais diversas situações. É este músculo que dá estabilidade aos movimentos do corpo.

A BARRIGA NO ESPELHO

Se eu bem te conheço, você está menos interessado na barriga “do livro” e está mais interessada(o) na barriga que vê no espelho, não é? Bem, nem sempre é possível visualizar os músculos só de olhas. Isso acontece porque todos estes músculos que expliquei acima ficam entre as vísceras e a camada externa de gordura, como vimos anteriormente. Quem tem uma camada de gordura muito espessa e deseja ter a barriga chapada, precisa organizar uma agenda de treino que priorize, primeiramente, essa perda de gordura.

Para atingir este objetivo, é necessário muito treino cardio, como por exemplos as aulas de AEROHIIT para queimar mesmo. Fazer apenas exercícios localizados, como abdominais, por exemplo, vão fortalecer os músculos, mas será bem difícil ver a mudança no espelho, já que este músculo mais tonificado estará por baixo desta camada de gordura. Agora para tudo e presta atenção no que eu vou te falar: não adianta fazer exclusivamente treinos aeróbicos!

Os exercícios localizados são necessários sim e precisam estar presentes no planejamento de treino, caso contrário, além do risco de flacidez após o emagrecimento, aumenta também a sua chance de perder massa muscular junto com a gordura, o que não é nada desejável. Se você quer ter uma emagrecimento saudável e uma barriga sequinha precisa ter uma agenda de treino que oferece os estímulos certos, no tempo certo.

O nosso programa mais indicado se você precisa perder gordura é, definitivamente, o CardioMix®. Nele, eu e minha equipe, programamos cada aula para oferecer o melhor estímulo para queimar muita gordura, preservar a massa muscular e elevar o metabolismo. Quer ver uma história real de transformação? Que tal um depoimento de uma aluna para te inspirar? Leia mais.

Se você já perdeu gordura, mas sente que a barriga está flácida, certamente vai se beneficiar do MuscleUp® ou o ToneBand®. São programas focados na tonificação. Muitas pessoas mudaram a sua composição corporal e desenharam seus contornos com estes programas de treino. Para você ver com seus próprios olhos, selecionei uma história de sucesso. Saiba mais.

OS EXERCÍCIOS HIPOPRESSIVOS x EXERCÍCIOS CONVENCIONAIS

Agora que você já entendeu um pouco mais sobre a anatomia do abdômen e como a Ginástica Hipopressiva funciona é importante saber que os exercícios convencionais simplesmente não conseguem tonificar essa musculatura profunda do abdômen.

Por que? As fibras da musculatura do transverso do abdômen e do diafragma têm um sentido diferente da musculatura do reto abdominal e dos oblíquos.

Muitas pessoas perdem anos da vida fazendo abdominais e ainda percebem que a musculatura não tem suporte nem sustentação para a coluna e os órgãos e o resultado disso é uma barriga protuberante e a cintura larga.

DIÁSTASE

Muitas mulheres que já estiveram acima do peso ou grávidas, como eu, podem ter uma condição chamada diástase. O que é isso? A musculatura reto do abdômen é semelhante a duas faixas posicionadas na frente da barriga, unidas por uma membrana chamada linha alba. Uma das funções desse músculo é suportar as vísceras. Com o sobrepeso ou gravidez, essa linha alba que une as duas faixas acaba sendo rasgada e com isso as faixas do abdômen ficam separadas.

O resultado disso, além de uma perda funcional de sustentação dos órgãos e outras funções importantes, é uma barriga saliente. E existem duas formas de corrigir ou amenizar essa situação: cirurgia ou exercícios respiratórios hipopressivos.

Quando eu soube disso me surpreendi e fiquei mais impressionada ainda com a informação de que uma boa parcela das mulheres passa por essa situação e não sabe como resolver.

GRAVIDEZ, DIÁSTASE E PÓS-PARTO

Se você está ouvindo falar em diástase pela primeira vez e ficou com os cabelos em pé: calma! Esta é uma condição bem comum e vou te explicar em seguida porque ela acontece.

Durante a gestação ocorrem muitas mudanças no corpo materno. A medida em que a gravidez progride, os tecidos conjuntivos são afetados pela ação de hormônios e, claro, tudo muda de lugar para permitir a acomodação do útero em crescimento. É aí que a diástase pode acontecer. Um dos fatores que aumentam o risco da diástase acontecer é ter gestação gemelar ou várias gestações, principalmente, se forem em um período inferior a dois anos de intervalo entre uma e outra.

Como saber se você tem diástase?

  • Deite-se no chão com as pernas flexionadas e coloque a mão na linha média do abdômen, logo acima do umbigo.
  • Posteriormente, como se fosse fazer um exercício abdominal, levante a cabeça e o tronco, fazendo força na barriga.
  • Se você sentir uma lacuna entre os músculos, pode ser que você tenha diástase.

OLHANDO O MEU PRÓPRIO UMBIGO

Para quem acha que eu nunca tive uma barriguinha saliente, vou contar para você uma fase muito particular da minha vida. Eu tive meu primeiro filho depois de muitos anos de formada na faculdade, e um ano após o parto, percebia que minha barriga, apesar de eu ter queimado toda a gordura excessiva, ainda estava flácida.

Eu resolvi, então, praticar com regularidade os exercícios hipopressivos. Fazia em média duas vezes por semana. Quando percebi que os resultados eram bons, decidi seguir com um curso
de formação em abdominais hipopressivos.

Em 2016, me formei com um dos discípulos do criador do método hipopressivo e foi aí que tive a ideia de trazer essa técnica para o Exercício em Casa.

A prática regular de abdominais hipopressivos, associada aos meus treinamentos e uma boa alimentação fizeram com que minha cintura afinasse e meu abdômen voltasse ao lugar.

E essa técnica que eu trouxe para o Exercício em Casa é diferente de tudo o que você já ouviu falar. O Jorge Vieira, meu professor, é quem ensina com detalhes todas as técnicas.

Quem já é assinante de qualquer um de nossos programas de treino como o MuscleUp®, CardioMix®, ToneBand® ou Namaste® já tem acesso a uma apresentação do Jorge Vieira sobre a hipopressiva e 2 aulas da modalidade. Essas aulas estão na aba NOSSOS TREINOS / HIPOPRESSIVOS.

A primeira delas ensina a postura correta para fazer exercícios hipopressivos de pé, sem apoio e a respiração correta durante os exercícios. Na segunda aula, o instrutor ensina a postura para realizar os exercícios hipopressivos apoida(o) na parede.

Essas aulas afinam a cintura, fortalecem os músculos abdominais e o assoalho pélvico, ajudando a combater incontinência urinária e tratar a diástase abdominal.

Espero que você tenha gostado destas informações e que te ajudem a fazer as melhores escolhas.

Te vejo nos treinos!

 

GINÁSTICA HIPOPRESSIVA

7 Comentários

Você pode usar HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>